“A DIFERENÇA ENTRE O PSEUDO CRISTÃO E O AUTÊNTICO CRISTÃO” (Oswaldo Jacob)

Mateus 7.13-27

Introdução:

A grande diferença entre o pseudo cristão e o verdadeiro é Cristo (Cl 1.27). Fazer parte do rol de membros de uma igreja não garante que está no caminho estreito, sobre a rocha e como uma árvore saudável produzindo fruto.

Jesus ensina de modo cristalino que dizer “Senhor, Senhor”, verdadeiramente só pode ser pelo Espírito Santo, 1 Co 12.3. Há muita religiosidade, jargão de igreja, mas um número reduzido de verdadeiros cristãos.

Nesse texto precioso, pela graça de Deus, vamos examinar três pontos relevantes para o nosso crescimento espiritual.

Os traços do pseudo cristão (vv.15-23; 26,27).

O disfarce, v.15. O mundo, o diabo e a carne não são os únicos perigos no caminho do cristão. Há ainda um outro: o falso profeta, o lobo disfarçado em pele de ovelha (Ryle). Os seus frutos são maus, vv.16-20. Os frutos são correspondentes à arvore. Conhecemos as pessoas pelos seus frutos, v.20. Suas práticas não correspondem à verdade, vv.21-23. Um credo que nada nos custa, e que não consista em outra coisa, senão em ouvir sermões, sempre provará ser uma atividade inútil, por fim” (Ryle). O ouvir não tem valor se não resultar em ação (Tasker). A oratória de um homem ou de uma mulher não levará para o céu, para entrar no Reino, v.21. Os versos 22 e 23 são muito claros: “Naquele dia, muitos me dirão: Senhor, Senhor, nós não profetizamos em teu nome? Em teu nome não expulsamos demônios? Em teu nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi claramente: Nunca vos conheci; afastai-vos de mim, vós que praticais o mal”.  

 Os traços do autêntico cristão (vv.24,25).

Ouve com atenção as Escrituras. A sã doutrina e vida santa são sinais característicos dos verdadeiros profetas (Ryle). Eles praticam os ensinos das Escrituras. O homem que pratica a Palavra é chamado de prudente. Por que razão? A sua vida está edificada sobre a rocha, Cristo. Ele tem uma vida bem fundamentada para enfrentar as tempestades da vida. O homem cuja fé em Cristo é real e sincera, poderá edificar sobre esta fé, e o fará, o edifício do caráter cristão, que resistirá às tempestades de incompreensão e desapontamento, de cinismo e dúvida, de sofrimento e perseguição, quando ameaçarem destruí-lo (Tasker).  Examinemos 1 Pe 1.5-7.

Como posso viver a vida cristã autêntica?

 Tendo uma profunda experiencia de novo nascimento, João 3.1-5; 1 Pe 1.17-23.Orando em todo o tempo, Ef 6.18.Meditando nas Escrituras, Sl 1.1-3.Vivendo pela fé, Hb 11.6.Tendo relacionamentos saudáveis, Rm 12.9-11.Investindo em pessoas, exercendo a sua mordomia cristã, 2 Co 9.9.Testemunhando em todo o lugar a sua fé em Cristo até que Ele volte, Mt 24.14; At 1.8. Participando do crescimento da igreja através do discipulado, do treinamento estratégico, 2 Tm 2.2. Deus chamou homens e mulheres comuns para um trabalho extraordinário.

Conclusão:

Essas duas realidades – o pseudo cristão e o verdadeiro cristão estão conectados ao caminho largo e ao caminho estreito, respectivamente, 7.13,14.

No texto de Mateus 7.13-27, Jesus define de modo muito claro a fronteira entre o falso cristianismo (religião) e o verdadeiro cristianismo (o evangelho).

Por que há pessoas carnais, frias, outras críticas, outras implacáveis, outras que fazem corpo mole, outras que se acomodam, outras que estão estagnadas nas igrejas?

A proposta de Jesus é que sejamos realmente Seus discípulos, vivendo a cada dia o Seu precioso evangelho, a Sua preciosa doutrina em nossos relacionamentos internos e externos, cumprindo fielmente a missão que Ele nos ordenou até que Ele volte.   

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar