Chácara Jr.

1Samuel 4.14-22: Icabode: quando a vida perde o brilho

alt

Icabode: quando a vida perde o brilho 
(1Samuel 4.14-22)
 
Icabode (que algumas versões grafam como Icabô) é o nome de um menino que viveu cerca de 1.100 anos de Cristo. Sua mãe, cujo nome não sabemos,  morreu no parto (1Samuel 4.19-22) E nada também sabemos sobre o garoto, exceto seu nome e as circunstâncias do seu nascimento. 
Icabode simboliza a tristeza de muitas vidas. Há pessoas que bem poderiam se chamar Icabode, se os nomes hoje tivessem algum significado, como tinham no Israel da antiguidade.
 
1
A história de Icabode começa bem antes. Seu bisavô, Eli, era um sacerdote. Seu pai, Fineias, era um sacerdote. Todos viviam em Israel. O tempo de Icabode foi um tempo difícil. O povo gostava de ouvir a voz de Deus, mas Deus raramente falava (1Samuel 3.1). Nessa época, surgiu um profeta através de quem Deus falava, em Siló: Samuel era o seu nome.
Em Israel, havia uma cidade em que a presença de Deus era sentida mais de perto: Silo era esse lugar. Nesta cidade, estava a arca da aliança, desde quando foi armada ali a Tenda do Encontro, no interior da qual a arca estava (Josué 18.1).
Essa arca acompanhava o povo como símbolo da presença de Deus. Feita de Acácia, por Bezalel, media 1,10 metros de comprimento e 70 centímetros de largura e 70 centímetros de altura (Êxodo 25.10). No seu alto, estavam esculpidos dois querubins, cujas asas se aproximavam para formar um arco. Era na nuvem que se formava entre estes dois querubins que Deus falava a Moisés (Números 7.89).
A arca acompanhava o povo, que, por vezes, se descuidava dela. Os filhos de Eli, que eram sacerdotes, estavam entre os que não cuidavam dela, como deviam. Quando a arca estava com o povo, a vitória era certa. Quando Deus estava presente, a vitória era certa. Quando Deus está presente, a vitória é certa.
Uma história ilustra esta verdade. Aquele era um tempo de muitas guerras com os povos vizinhos. Uma delas, para os filisteus, os israelitas perderam. Então, mandaram buscar a arca em Siló. "Quando a arca da aliança do Senhor entrou no acampamento, todos os israelitas gritaram tão alto que o chão estremeceu" (1 Samuel 4.5). 
Os adversários ficaram com medo. Depois, se fortaleceram e tomaram a arca, matando os dois filhos de Eli, Hofni e Fineias. Quando soube disto, do alto de sua gordura e dos seus 98 anos, o próprio Eli caiu de sua cadeira e morreu.
Nesses dias, Icabode estava no ventre de sua mãe, nora de Eli e esposa de Fineias. "Quando ouviu a notícia de que a arca de Deus havia sido tomada e que seu sogro e seu marido estavam mortos, [a mãe de Icabode] entrou em trabalho de parto e deu à luz, mas não resistiu às dores do parto. Enquanto morria, as mulheres que a ajudavam disseram: 'Não se desespere; você teve um menino'. Mas ela não respondeu nem deu atenção" (1Samuel 4.19-20).
Antes de morrer, a mulher teve forças para dar "ao menino o nome de Icabode", dizendo: “A glória se foi de Israel”, porque a arca foi tomada e por causa da morte do sogro e do marido. E ainda acrescentou: “A glória se foi de Israel, pois a arca de Deus foi tomada”. (1Samuel 4.21-22)
Enquanto isto, os filisteus começaram a sofrer com a presença da arca em seu território. Ela virou uma "batata quente". Cada cidade que a recebia logo queria se livrar dela, pelas desgraças que sobrevinham ao povo. O povo ficava em pânico (1Samuel 5.11), mas esta é uma outra história (1Samuel 5-7 e 14; 2Samuel 6, 11 e 15)
Nossa história é a dessa mulher sem nome e seu filho Icabode.
 
2
A mãe de Icabode tipifica todas as pessoas cujas vidas estão sem brilho, achando que Deus não está mais presente em suas vidas. Essa mulher estava parcialmente certa, logo parcialmente errada. A glória de Deus nunca se afasta dos seus filhos, mas seus filhos podem parar de vê-la.
Quando viu aquela sucessão de fatos (a derrota na guerra, o seqüestro da arca, a morte  do sogro, a morte do marido e o parto prematuro e arriscado), ela concluiu que Deus tinha se afastado da vida do seu povo e da sua também.
No entanto, em seu equívoco, ela nos deixa um legado de valor: ela nos adverte para o preço do pecado, quando dá o nome ao seu filho. Essa é uma lição que precisamos aprender: se pecamos, precisamos ter a coragem de admitir que não estamos em comunhão com Deus. Seu sogro e seu marido pecaram. Por causa do pecado deles, a nação sofreu, a família padeceu.
A mãe de Icabode teve coragem para admitir o erro. Sua coragem nos convida a admitir que nem sempre a nossa infelicidade vem por causa dos outros. Muito do nosso sofrimento vem do nosso pecado. Paramos de ter comunhão com Deus, porque nos afastamos de Deus. O pecado é uma escolha.
A volta para Deus também é uma escolha.
O povo sabia o que não podia fazer, mas fez. O povo sabia que o podia fazer, e não fez.
Conhecemos os mandamentos de Deus. Nenhum de nós pode alegar que não os conhece. O nosso problema não tem a ver com o verbo conhecer, mas com o verbo obedecer.
Quando lemos a história toda, que se prolonga por vários capítulos, ficamos sabendo que a arca voltou a Siló. Por mais que nos tenhamos afastado de Deus, a falta de comunhão não é definitiva. A arca pode voltar para Siló a qualquer momento. A arca pode voltar para o seu coração a qualquer momento. Vá buscar a arca. Você pode voltar a vibrar de novo.
 
3
A história da mãe de Icabode tipifica a experiência de todos aqueles para quem a vida perdeu a graça.
E precisamos ser honestos em admitir o nosso pecado.
E precisamos ser honestos também admitindo que nem toda falta de brilho na vida advém do pecado. Se a graça inclui o perdão pelos pecados, ela também inclui a idéia de nem sempre as nossas dificuldades sejam resultado do pecado. Há outros fatores que nos surrupiam a graça de viver.
 
A vida perde a graça quando perdemos uma pessoa querida. Como deve ter sido a vida de Icabode, sem mãe, sem pai, sem avó, sem tio? Como deve ter sido a vida de Icabode, com o seu nome ("sem a glória" que tinha)?
A vida perde a graça quando vamos acumulando frustrações, nos relacionamentos, nos concursos, nos estudos, como se fôssemos midas ao contrário, de modo que parece que nada dá certo conosco? Ah, Icabode: foi-se o brilho da vida!
A vida perde a graça quando as dívidas vão crescendo e diminuindo a nossa capacidade de honrar nossos compromissos? Ah, Icabode: foi-se o brilho da vida!
A vida perde a graça quando somos acometidos por uma doença devastadora, seja ela física ou emocional. Como manter o brilho na face com um diagnóstico de câncer nas mãos? Como manter vibrando o coração quando a mente vai sendo confundida por uma enfermidade emocional, como uma depressão? Ah, Icabode: foi-se o brilho da vida!
Qualquer situação destas nos faz perder a perspectiva da presença de Deus. 
 
4
Recuperar a perspectiva da presença de Deus não é fácil, não por causa de Deus, mas por nós mesmos.
Deus está presente. Sempre. 
 
1. Esta é a nossa primeira tarefa: diferentemente da mãe de Icabode, precisamos reconhecer que a glória de Deus nunca se vai. Se não estamos experimentando esta realidade, sigamos o salmista:
 
"Se eu subir aos céus, lá estás; 
se eu fizer a minha cama na sepultura, também lá estás. 
Se eu subir com as asas da alvorada e morar na extremidade do mar,
mesmo ali a tua mão direita me guiará e me susterá. 
Mesmo que eu diga que as trevas me encobrirão, 
e que a luz se tornará noite ao meu redor,
verei que nem as trevas são escuras para ti. 
A noite brilhará como o dia, pois para ti as trevas são luz". 
(Salmo 139.8-12)
 
2. Precisamos ver quando a arca nos foi tirada.
Quando se foi da sua vida o brilho?
Você dirá: não foi de uma hora para outra. A luz foi se apagando. Resta apenas, se resta, o toco de uma vela de cera, que logo também derreterá. Mas quando a chama começou a diminuir, corcunda ao vento vindo de fora?
Que fatores sofram se tornando sombras, sombras cada vez maiores, sobre a sua vida, fazendo com o que brilho escorresse para debaixo da mesa?
Talvez você diga que não sabe.
Então, você precisa buscar ajuda, de um amigo, de um pastor ou de um profissional, ou talvez de todos eles, para que você ponha em ordem seu mundo interior.
Esse mentor poderá lhe ajudar a ler o mundo em seu redor, leitura que sua mente, antes tão competente, não faz mais.
Trago duas lembranças que ilustram a importância da compreensão do que ocorreu e levou embora a arca (como símbolo de alegria).
Uma mulher, que tinha um problema que afetava a sua saúde mental, decidiu não mais tomar o remédio que mantinha o seu equilíbrio emocional. Por alguma razão, passou a achar que Deus a curara. Desde então, tornou-se mais triste, mais arredia e mais agressiva. Seu marido sofria. Suas filhas sofriam. Demorou até que aceitasse o conselho de seu pastor e voltasse a fazer uso daquela medicação, um dom de Deus para a sua vida.
Um pastor dirigia uma igreja que ia muito bem, batizando e crescendo. No entanto, a partir de determinado tempo, a igreja começou a perder membros. Seu pastor chegou a um clara conclusão: o problema da igreja era espiritual, deixando o pastor muito confuso. Esta confusão impediu que ele fizesse a leitura certa, coisa que um amigo lhe ajudou a fazer: sua cidade enfrentava um problema econômico, que provoca um tremendo êxodo. Muitos saiam da cidade em busca de empregos; com eles, vários membros da igreja. Depois que o pastor entendeu isto, tratou de ver onde estavam os seus membros em diáspora e abriu uma congregação com eles na nova localidade de trabalho e moradia.
Estes dois episódios mostram que precisamos nos conhecer um pouco mais ou conhecer o mundo em nosso redor, para tomarmos decisões sábias, capaz de contribuir para a volta do brilho nos olhos.
Se sabemos quando e porque a arca se foi, demos um excelente passo para te-la de volta.
 
3. Precisamos desejar ardentemente a nossa vida de volta.
Não conhecemos os detalhes, mas é possível que a mãe de Icabode, diante de tantas tragédias, não tenha querido mais viver, por mais que suas amigas lhe falassem do prazer da maternidade.
Precisamos saber que Deus quer nos dar a vida de volta.
Gosto dos salmistas. Algumas vezes aos gritos, eles pedem a graça de viver de volta.
Um deles é enfático:
 
"Faze-me ouvir de novo júbilo e alegria, e os ossos que esmagaste exultarão.   
Devolve-me a alegria da tua salvação e sustenta-me com um espírito pronto a obedecer". 
(Salmo 51.8, 12)
 
Devemos orar com uma ousadia desta. Não com a ousadia de quem acha que tem direito, mas com a ousadia que sabe que pode pedir por misericórdia.
 
4. Precisamos nos por a caminho.
Se a arca está em outra cidade, temos que nos por em marcha para a outra a cidade, se queremos mesmo recupera-la.
Gosto da história de Moisés. Ele queria ver a glória do Senhor ("Então disse Moisés: 'Peço-te que me mostres a tua glória'” -- Êxodo 33.18), mas não ficou na cidade. Ele subiu o monte. Deus colocou obstáculos para Moisés subir e Moisés subiu. 
Subamos o monte. 
Deus nos vai atrair em sua direção, para nos dar um ânimo novo.
Nas horas mais difíceis da história do povo bíblico, Deus lhe disse para seguir em frente, para marchar (Êxodo 14.15). Enquanto caminhamos, Deus vai aparecer, nem que vejamos apenas a sombra das suas costas. E o brilho da vida voltará.
Será o fim do nosso icabode.

ISRAEL BELO DE AZEVEDO
 

Comentários   

 
#3 correçãojackson 29-03-2014 10:42
O sacerdote Eli não era Bisavô, como vc mencionou e sim avô de Icabô, pois o mesmo era Pai de Finéias.
 
 
+1 #2 Quando a vida perde o brilhoGuest 11-09-2010 10:26
Pr. Israel, amei a mensagem de domingo.Foi a 1ª vez que assisti um culto virtual.....rsrsrs
Deus falou poderosamente ao meu coração!!!
Fico radiante em saber que ainda existem servos comprometidos com a Palavra de Deus,que buscam conhecimento e levam ao povo de Deus uma mensagem verdadeira,rica e cheia da benção do Senhor. Te admiro!!
Deus é contigo!!
 
 
-1 #1 1Samuel 4.14-22: Icabode: quando a vida perde o brilhoGuest 10-09-2010 23:22
Para mim, essa pregação foi providencialmen te divina. Escrita há muitos anos é viva, pois me foi revelada para a glória de Deus.
Amém,
 

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar