MANDAMENTO PARA O NOVO ANO, 2

Para um novo ano, outros compromissos são indispensáveis:

 

6. Ao outro não responsabilizarás por teus erros.

É mesmo desconcertante diante do nosso erro, percebido por nós ou flagrado por outro, não termos ninguém para atribuir a culpa. É doloroso chegarmos atrasados a um compromisso, deixarmos de pagar uma conta, desfecharmos um palavrão irado, e não termos o trânsito para explicar, o correio para responsabilizar, a vítima para culpar. Se assumirmos o nosso erro, sairemos mais cedo de casa, e chegaremos à hora ao local necessário; seremos mais atentos e não pagaremos multa, e procuraremos nos irar menos para viver em paz.

Embora seja uma atitude difícil de ser tomada (Salmo 19.12), quando assumimos nossas responsabilidades, no certo e no errado, mostramos que estamos nos tornando pessoas cada vez mais maduras.

 

7. Não destruirás as obras dos outros.

Os políticos falam mal dos que vieram antes, culpando-os por todos os problemas que precisam administrar. Eles destroem as boas coisas que seus antecessores fizeram. Quando as conservam, colocam sua próprias placas, como se tivessem sido os idealizadores e realizadores dos projetos que continuam dando certo.

Não agirás assim, mas valorizarás os que os outros fazem, em casa, no trabalho ou na igreja. Reconhecerás que fazes o que fazes graças aos que vieram antes. Para cresceres, sabes que não precisas diminuir os outros (João 3.30).

Alegra-te em continuar; não tens que fazer tudo do teu jeito, como se o teu jeito fosse sempre melhor.

 

8. Como vítima não te portarás.

Pessoas gostam de ti sem que tenhas feito alguma coisa. Pessoas não gostam de ti sem que tenhas feito coisa alguma.

Vais lembrar disto todos os dias da tua vida?

Enquanto lambes tuas feridas, não vês os bons alimentos que esperam por ti à mesa. Para de comer teus próprios ressentimentos. Corta a amargura pela raiz (Hebreus 12.15). Deixa a prisão em que tuas reclamações te guardam. Quebra as algemas que te impedem de voar.

 

9. Não verás o outro apenas com teus próprios olhos.

Muitas vezes olhaste para uma pessoa e chegaste às tuas conclusões sobre elas, conclusões que logo se dissiparam quando te assentaste e ouviste a história que tinha para te contar. Não detestas que façam o mesmo contigo? (Mateus 7.12)

Esteja sempre alerta para ver o outro com os olhos do outro. Leva em conta as possibilidades que o outro teve, as restrições que o outro enfrentou, os abusos que o outro sofreu. Se tiveres ouvidos para o outro, tu o amarás como ele é, não como gostarias que fosse. Não te vejas como paradigma.

 

10. o te ouvirás apenas a ti mesmo.

Todas as pessoas tendem a pensar que sabem o que lhes é melhor, certos de que são capazes de tomar as melhores decisões.

Diferentemente, ponha teus ouvidos a escutar quem tem bons conselhos a te dar, mesmo que pareçam repreensões. Não desprezes as palavras de vida que te proferem.

Considera a Palavra de Deus — a Bíblia Sagrada — como guia para a tua vida (2Timóteo 3.16) e aplica-te a ler o livro santo e tua vida irá bem, muito bem.

 

Israel Belo de Azevedo

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar